Psoríase: a doença de pele que pode afetar o coração

arritmia
Arritmia cardíaca: doença tem tratamento e até cura
11 de novembro de 2016
fitness
Antes de ser fitness, é necessário passar por uma avaliação física
25 de novembro de 2016

Placas avermelhadas e descamações no couro cabeludo, cotovelos e joelhos, nos pés e nas mãos. Esses são os principais sintomas da psoríase, uma doença inflamatória crônica da pele, que atinge cerca de 2% da população mundial, e que pode acarretar outros problemas de saúde, como infartos e derrames. A descoberta aconteceu recentemente após a realização de pesquisas epidemiológicas sobre a saúde de psoriáticos no Brasil.

Especialistas acreditam que as lesões causadas pela psoríase no corpo, levam os pacientes a se isolarem, abrindo mão de cuidados simples com a própria saúde. Problemas como sobrepeso, obesidade e casos de hipertensão acabam se tornando mais comuns entre os psoriáticos do que entre a população em geral, já que eles praticam menos atividade física.

Além disso, dependendo do grau da doença, a psoríase pode provocar uma inflamação crônica em várias partes do organismo, que, segundo os especialistas, favorecem o surgimento do diabetes e o entupimento dos vasos sanguíneos, podendo levar a um infarto ou derrame.

Causas e diagnóstico

Ainda não se sabe exatamente a causa da psoríase, mas acredita-se que a genética é determinante em boa parte dos casos. Um em cada três pacientes tem um familiar com a doença. Fatores ambientais também podem estar envolvidos no surgimento da psoríase, que pode ser diagnosticada por um dermatologista.

O médico realiza um exame físico, analisando a pele, couro cabeludo e unhas, verificando os sintomas. A partir daí, o especialista pode solicitar ao paciente a realização de exames, como a biopsia e ultrassonografia da pela afetada, para confirmar o diagnóstico.

Prevenção

Assim como a causa da doença não é conhecida, também não se sabe exatamente como prevenir a psoríase. No entanto, os especialistas recomendam algumas medidas que podem evitar que a doença ocorra, como hidratar e evitar esfoliar a pele. Tomar sol com cuidado também é importante, assim como ficar atento com depilação, tatuagem e piercing – procedimentos que podem favorecer as lesões na pele, caso não sejam bem executados.