Você está com dor no ombro? Pode ser tendinopatia

hepatite
Elastografia hepática: o que é e para que serve?
12 de abril de 2018
apendicite
Apendicite pode ser confundida com várias doenças; saiba como identificar
26 de abril de 2018
Show all
ombro

Comum em profissionais que trabalham longas horas no computador e em atletas, a dor no ombro pode surgir por lesões em diferentes estruturas das articulações. Uma das causas mais frequentes é a tendinopatia, uma lesão crônica por sobrecarga ou esforço repetitivo que afeta um ou mais tendões e gera muita dor. Ela pode afetar a capacidade de realizar atividades cotidianas, de trabalhar e de praticar exercícios físicos.

A maioria das tendinites, ou seja, inflamações agudas dos tendões, acontece no manguito rotador, um grupo de músculos e tendões que ajuda a estabilizar o ombro e nos permite levantar objetos e rodar o braço. Se o quadro for crônico, a condição é descrita como tendinopatia.

Fatores de risco da dor no ombro por tendinopatia

Diversos fatores podem aumentar o risco do desenvolvimento da tendinopatia, como:

  • Movimentos repetitivos – comum ao praticar esportes, como tênis e natação, em profissões, como pintor e carpinteiro, e ao usar computadores e celulares.
  • Falta de alongamento – durante o dia a dia e antes e depois de praticar atividade física para não sobrecarregar os tendões.
  • Idade – com o passar dos anos a circulação sanguínea do organismo tende a diminuir e causar deficiências no tendão.
  • Estresse – causa contrações musculares e fadiga dos tendões.

Como identificar a tendinopatia no ombro

Ao verificar sintomas como dor no ombro, principalmente, à noite, sensibilidade ao tentar alcançar objetos que estão no alto, inchaço ou vermelhidão, é importante consultar um médico. Ele poderá realizar o exame físico e solicitar exames complementares, como raio-x, ultrassom e ressonância magnética, que permitirão avaliar a causa da dor.

A gravidade de uma lesão em algum tendão do ombro depende muito do grau de evolução e sua localização. Por isso, é importante realizar o diagnóstico antes que a dor seja insuportável e se torne crônica.